3 de set de 2009

O jorro

O tempo passou e não foi sem um lento ardor que as feridas começaram a cicatrizar. Feridas que eu fiz, admito, mas que fiz com a sua faca. Sangue quente que eu derramei em teu nome. Juras eternas que se estilhaçaram contra a parede. Não, não foi minha mão que as arremeçou. O teu gosto amargou minha boca, e como remédio e veneno, foi aos poucos me livrando de você. Sua insistência era tão grande, mas minha inocência era maior. Foda-se. Agora acabou. Acabou como ânsia, como dor, como um olhar que a realidade secou. O sangue ainda flui, a ferida ainda lateja, mas o que antes era vontade agora se torna uma repulsa espinhosa, que vem do fundo do meu ser, bem onde você se escondeu, rasgando e limpando, tirando você daqui, de dentro de mim. A diferença? A diferença é que agora a decisão foi minha. A diferença é que agora quem vai perder é você. Eu fiz minha parte. Eu fiz a sua parte. Agora já foi, se quebrou. Eu finalmente vomitei os cacos, e agora, eles são seus. Parabéns.


"she told me no, I cry te amo" - Rihanna

Nenhum comentário: