13 de set de 2009

Sem titulo...

Era como se fosse uma doença tomando pouco a pouco todas as partes de seu corpo. Uma doença para a qual ainda não havia sido descoberta a cura. Uma doença que quanto mais se tentasse esconder mais aparente ela seria. Mas esse era o discurso oficial, ele não podia se entregar, ele não podia se render, ele não podia assumir publicamente tal doença, muito embora esse fosse talvez um dos desejos mais ardentes de seu coração.
Não sabia como explicar os sintomas, tantos, e tão velozes. Normalmente esse estagio só era encontrado em quem já tenha essa condição há muito tempo, mas como o oxigênio pelo sangue, ela se espalhou e tomou cada parte do seu ser, até seus pensamentos, seus sonhos, já eram dela.
Mas como, como esconder sinais tão evidentes? Como se furtar um sorriso toda vez que pense nela? Como disfarçar algo que já transbordava de dentro, gritando para sair? Com quais palavras explicar que a queria em todo momento possível do seu lado? Com quais palavras explicar que a queria nos momentos impossíveis também?De que realmente adiantaria negar que estava louco por ela se não havia um dia em que não pensasse em seu olhar? E o pior, se realmente se entregasse, existiriam palavras suficientes para descrever toda profundidade de seu sentimento?
Estava preso entre tentar esconder e tentar explicar como o simples brilho de seu sorriso o cegava para todo o resto que não fosse ela, entre o silencio e o doce som da sua voz, entre tapar o nariz e sentir seu cheiro em todo lugar, entre se sentir sozinho junto de seus melhores amigos ou assumir que ela fazia muito mais falta do que queria admitir.
Ele sempre tão decidido, sempre tão orgulhoso, sempre tão “senhor de si” não sabia o que fazer. Não sabia se se entregava e esperava pelo melhor, se lutava para não deixar tão claro algo que obviamente já estava acima de seu controle, se simplesmente gritava para o mundo todo ouvir tudo aquilo que já transbordava pelos seus poros.
E o que ele decidiu, vocês me perguntam? Bom, isso eu não sei, assim como também não sei o que aconteceu... mas aposto que ele não conseguiu se conter e acabou dizendo que adorava ela, e que por mais estranho que parecesse, que estava se apaixonando por ela, e que isso era um pouco assustador e ainda assim talvez a coisa mais incrível que lhe acontecera. E aposto, não, espero que, tudo tenha dado certo.

Um comentário:

M i h disse...

"Meu ar de dominador dizia que eu ia ser seu dono e nessa eu dancei; hoje no universo nada que brilha cega mais que seu nome..."
Me fez lembrar dessa musica xD